Leia também...

Leia também...
Manual prático para lidar com gente chata nas redes sociais

Leia também...

Leia também...
Filosofia Para as Massas

Leia também...

Leia também...
Invicioneiro

Leia também...

Leia também...
De criança para criança

“Não Espere pelo Juízo Final. Ele Acontece Todos os Dias”

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

 Juizo_Final_Michelangelo

 

Mais um ano tem início. A gênese invisível de um círculo. Ou de uma aliança?

 

Andamos em círculos porque o mundo é redondo? Uma bola de neve redirecionada ao caos?

 

Momentaneamente, troquei as epístolas de Paulo pelas de Camus.

 

Cristão protestante existencialista é uma blasfêmia. Pelo menos é o que protestam os fariseus, que querem me ver ardendo em suas fogueiras. Todos temos uma horda deles bramando ao derredor. Hienas feias e invicioneiras, que não toleram nada além de suas hipocrisias. Mas afinal, temos que rir de alguém, além de nós mesmos!

 

No ano em que passou, ainda me levei a sério demais. E se cheguei a contar alguma piada, foi para zombar do time alheio.

 

Bons amigos que se foram. E chatos que nunca se vão - apesar das passagens pagas.

 

Senhor, se não posso ser menos pecador, me faça pelo menos mais humano. Quero a bênção de brincar com os meus filhos! Data venia, não quero continuar a ser mais este escravo do trabalho, que vendeu a alma para essas malditas contas!

 

Reduzo a marcha e afrouxo a gravata. É verão no cerrado, sob fogo cerrado, sobre o asfalto quente da 040.

 

Entretanto, os pedestres na José Gonçalves Costa ou na Dom Cirilo, parecem estar mais felizes. Invejosamente, bem mais felizes…!

 

Eu, armado com o meu carro, tendo a melancolia como combustível; e o ar condicionado torna a alma ainda mais fria.

 

Não há esperança ou desesperança; apenas o conformismo de uma máquina de lavar. Ou a rebeldia de um chuveiro: sempre verão quando inverno; e inverno, quando verão.

 

E mais um ano tem início... Como uma roda-viva!

 

Com as graças de Deus!

 

 

[Foto: 'O Juízo Final', visão do Apocalipse pintada pelo renascentista Michelângelo na Capela Sistina.]

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

4 comentários :

The EDN disse... Responder comentário

Caro amigo Coqueiro, continue dando bons frutos. Maravilhoso o seu post!

7 de janeiro de 2010 14:46
Harley Coqueiro disse... Responder comentário

The EDN,

Que surpresa e quanta honra!

A título de curiosidade, o título desta crônica (se é que pode ser chamada assim) é uma frase de Albert Camus em "A Queda".

Ah, já visitei o seu blog ("Poetopias") e gostei muito!

7 de janeiro de 2010 15:14
Anderson Moreira disse... Responder comentário

Realmente... CHUVEIROS são rebeldes! sempre verão quando inverno; e inverno, quando verão. (Murphy explica?)

7 de janeiro de 2010 21:27
Harley Coqueiro disse... Responder comentário

Anderson Moreira,

Eu arrisco a dizer que o chuveiro é igual a casamento. No início funciona tudo bem. Com o tempo, é você querendo água quente e só cai fria; e quente, quando você quer fria!

Murphy e Freud explicam?

8 de janeiro de 2010 08:50

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;