Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

A Corrida Maluca

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

 

dick_mutlley_invicioneiros

 

É assustador como o trânsito consegue transformar qualquer cidadão de bem em um serial killer. A pé, um gentleman; no volante, um pitbull que não apenas morde - buzina.

 

Aliás, os motoristas deveriam utilizar as buzinas de forma mais inteligente. Apenas em situações de perigo real e imediato. Qualquer bobagem é motivo para se apertar  o raio da buzina. Um tosco espetáculo de exibicionismo e de falta de educação.

 

Não existe coisa pior do que, no aconchego de meu reino lar, ter de ouvir/aturar buzinas cretinas na rua, abafando o som da TV.

 

Sons de buzina são dantescas: criam uma situação de alerta, de estresse. Deixam todos os moradores de uma rua em tensão pré-guerra. Parece uma blitzkrieg em ação. Acordam bebês que não dormiram à noite, operários que trabalharam à noite e bêbados que beberam à noite inteira. Mas fazer o quê, se existem pessoas que arrotam alto e acham isso bonito...

 

Moro na periferia de uma cidade que não tem mais que 10.000 maníacos habitantes (diga-se de passagem, a melhor cidade da América Latina: uma mistura do Canaan com o Eldorado). O trânsito aqui não chega nem no cheiro do de BH, que dirá do de São Paulo. Mas ainda assim apresenta, ressalvadas as devidas proporções, os mesmos vícios de um trânsito quase desumano: motoristas rabugentos, motoqueiros psicóticos, ciclistas exibicionistas e pedestres que têm perversão por andar no meio da rua.

 

Em meio a essa guerra civil, às vezes parece que o boyzinho ou tiozão, para se sentirem mais viris, têm de fazer cara de mau e acelerar furiosamente. Uma vã afirmação, que apenas Freud e uma boa multa explicam.

 

acidente-maluco

 

Certa vez em Brasília, fui testemunha da cordialidade dos motoristas da capital federal: se você pisa na faixa, o carro para. É automático! Já até me perguntei o porquê daqueles lordes candangos não serem tão ansiosos e apressados quanto eu. Concluí que depois da fé, a educação também consegue operar milagres: neutraliza as neuroses urbanas.

 

Em contrapartida, logo quando eu tirei a minha CNH, tive de dirigir em Guarulhos. Naquela megalópole, convivi com motoboys usando buzinas como se fossem metralhadoras e motoristas intolerantes que não guardam distância. Sobrevivi.

 

Se você anda a pé no passeio e esbarra em alguém, ambos são cordiais em pedir desculpas. No trânsito não: todo mundo xinga, dá porrada e, invariavelmente, ninguém tem razão.

 

A triste constatação é que parece que estamos sempre numa corrida para chegar a lugar algum.

 

A nossa corrida maluca de cada dia.

 

 

 

[GIF de abertura by Harley Coqueiro, sobre desenho da Hanna-Barbera]

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

3 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;