Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Informações de Blogs, podemos confiar?

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Antes de adentrarmos no assunto do post em questão, precisaremos voltar um pouco na história para entendermos como e quando surgiram os blogs, e quais eram seus objetivos iniciais?

 

blog

 

Segundo o blog ilavenidapaulista, o termo weblog foi criado em 1997 por Jorn Barger, autor de um dos primeiros FAQs, outro termo que é comum encontrarmos na internet. FAQ é a sigla para Frequently Asked Questions, em português, Perguntas Feitas Frequentemente, ou somente Dúvidas Frequentes, opções encontradas em sites para auxiliar os usuários na navegação pelo site ou tirar as dúvidas relacionadas a seu conteúdo.

O weblog de Jorn tinha aparência diferente a dos blogs de hoje. Era mais simples, mas tinha o mesmo objetivo e seguia o mesmo padrão de formatação dos atuais. Com o passar do tempo, o termo weblog foi se modificando até chegar no conhecido Blog, cujo propósito inicial era fazer uma lista de links interessantes para divulgação. Entretanto, a criação e atualização dos blogs não era simples e exigia um conhecimento específico, por isso, em 1999, algumas ferramentas de criação de blogs foram desenvolvidas facilitando a publicação de textos nos blogs e a manutenção deles, privilegiando a escrita espontânea.

A abreviação "blog", por sua vez, foi criada por Peter Merholz, que, de brincadeira, desmembrou a palavra weblog para formar a frase we blog ("nós blogamos") na barra lateral de seu blog Peterme.com, em abril ou maio de 1999. [Wikipédia]

 

Como podemos ver, há muito tempo os blogs deixaram de ser diários virtuais pessoais, para se transformarem em fontes de informações, neste ínterim, vale destacar que, obviamente e infelizmente, nem todos se encaixam no perfil informativo, e principalmente, grande parte não privilegia mais a escrita espontânea.

 

Existem muitos blogs com conteúdos de qualidade e veracidade duvidosas, de humor tosco e piadas repetidas, que, por incrível que pareça, costumam ser mais populares do que os blogs de conteúdo informativo e didático.

 

web-quality-1

Para se ter uma ideia da banalização conteudista de alguns, basta dar uma olhada rápida num dos maiores agregadores de links do Brasil O Ocioso, há sempre no topo da lista um blog com as características supra mencionadas.

 

Quando comecei a frequentar o universo dos blogs existia um certo preconceito ao conteúdo dos mesmos, que muitas vezes não eram aceitos como fonte de referência confiável. E como saber se o conteúdo publicado é de fato acurado? A resposta é simples e objetiva, “quem deve avaliar a qualidade da informação é quem irá efetivamente usá-la”.

 

verdade-mentira

 

Mas existem algumas questões que devem ser pontuadas, para a avaliação de um determinado conteúdo,  e o artigo “Evaluating Information Found on the Internet” [Avaliando informação encontrada na internet] de Elizabeth Kirk, auxilia muito nesse trabalho, nesta avaliação, dentre os vários critérios, o Autorship (Autoria) é colocado como o mais importante fator de análise da credibilidade de um documento. Para saber se uma informação é confiável, analise quem a escreveu. Para isso: 

 

# O autor é uma autoridade nesta área do conhecimento?

# Este autor é citado por outros que você reconhece como confiáveis?

# Quem está “linkando” esse autor?

# O documento sob análise possui informações sobre a instituição da qual o autor faz parte?

# Existem informações biográficas? Endereço da instituição ou do autor?

 

Como vimos, não é tudo que lemos na internet que devemos levar como verdade absoluta, existem alguns critérios a serem utilizados na hora de avaliar determinado conteúdo. Particularmente, gosto de pesquisar várias publicações sobre o mesmo tema para me certificar da veracidade das informações ali postadas, se todas indicarem o mesmo caminho a probabilidade da informação ser genuína, será bem maior.

 

selo_qualidade

 

Outro fator preponderante é o prestígio do blogueiro, normalmente, os blogueiros de renome possuem mais responsabilidade com seus conteúdos, não saem atirando a esmo na procura de leitores desavisados e paraquedistas, já possuem um público fiel e por isso têm mais compromisso e esmero com a qualidade do conteúdo a ser publicado.

 

Não podemos olvidar que os blogs possuem um poder de comunicação incrivelmente admirável, poder esse que pode ser explicado pela facilidade de interação entre leitores e autores.

 

O importante aqui é que o blog permite a interação, essa é a palavra chave. Os autores escrevem, os leitores lêem e comentam, os autores e outros leitores respondem aos comentários e, assim comunicação e interação simplesmente ocorrem. [Revista Espaço Acadêmico].

 

Nunca é demais lembrar um velho adágio: “prudência e caldo de galinha, não fazem mal a ninguém”, por isso todo cuidado é pouco no trato com os conteúdos, independentemente de serem blogs ou sites em geral, pois podemos correr o risco de cair em algum engodo travestido de conteúdo lídimo.

 

Eu indico:

Blog Verde: Blogs como fonte de informação

Meio Bit: Blogs não são confiáveis? E os jornais são?

Espaço Acadêmico: Blog: um novo poder de comunicação

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor bloguicista.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

4 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;