Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

A regra agora no twitter é não ter regra

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

 

Desde sua criação, no nem tão longínquo ano de 2006, por Jack Dorsey, muito se fala em regras de boas maneiras na utilização do twitter, o que vale e o que não vale na política de boa camaradagem no uso desta importante rede social.

 

twittiquette

 

Diversos blogueiros e outros autores já explanaram suas opiniões e visões sobre o universo do twitter e sobre o uso racional desta ferramenta, a partir daí, criaram-se normas e espalharam-se restrições. Ora, se o twitter é uma ferramenta universal de uso individual onde predomina o bom senso, qual o azo de se impor regras generalizadas?

 

Os tecnocratas de plantão não cansam de bradar os seus modelitos ditatoriais de boas maneiras, e você, estará sujeito a ser execrado em praça pública, caso não atenda aos anseios desses lordes.

 

Segundo Roberto Cassano, quando o Homem instala uma sociedade, um grupo, há três coisas que ele invariavelmente acaba fazendo:

 

1) Ergue uma Igreja;

2) Extermina os índios;

3) Cria regras.

 

Particularmente, sou totalmente contra tais regras, e pelo visto não sou único, haja vista o artigo do jornalista David Pogue, publicado no renomado New York Times, e reproduzido no site IG, senão vejamos:

 

Não se prenda à "regras": não existe um "jeito certo" de usar um dos serviços mais populares na internet. A única regra é "faça o que você achar melhor”.

O Twitter, em outras palavras, é exatamente o que você quer que ele seja. Pode ser uma ferramenta de negócios, um passa-tempo para adolescentes, um auxiliar em pesquisas, uma fonte de notícias - não importa. Não há regras, pelo menos nenhuma que possa ser aplicada da mesma forma a todos. [sic]

figura12

O twitter é uma rede social onde todos os usuários possuem livre arbítrio, você é que determina o que vai ou não seguir, portanto se quer impor suas regras, faça isso de forma individualizada, não tente imputar suas restrições de forma generalizada, pois pode ser que seu gosto não coadune com o dos demais usuários.

 

Acho engraçado que alguns usuários criam uma verdadeira celeuma sobre alguns procedimentos. Quando determinado seguidor  tem uma conduta que o desagrada, esta é supervalorizada e colocado em evidência em detrimento a todas as outras ações positivas deste mesmo seguidor, ou seja, um erro é muito mais grave do que os inúmeros acertos.

 

O Twitter e as redes sociais em geral são só o começo. Não adianta murar o terreno agora, pois o terreno está se expandindo, crescendo e novas espécies surgindo. [Roberto Cassano]

 

Tenho minhas próprias restrições em relação a alguns procedimentos, mas não fico alardeando aos quatro cantos minhas preferências pessoais, procuro  relevar os deslizes dos seguidores que tenho apreço e simplesmente paro de seguir aqueles que por ventura não me agradem.

 

Não concordo com muitas das opiniões expressas na minha timeline, nem por isso fico fazendo execuções sumárias e delatando os incautos, opinião é algo pessoal, todos tem o direito de emiti-la, você pode não concordar, mas se abstenha de censurar, senão, corre-se o risco de daqui a pouco estar condenando muitos seguidores à prática remota da inquisição.

 

Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las. [Voltaire]

 

Querem exemplos? Não gosto de generalizações em torno da religião, fé cada um tem a sua e julgar de forma indiscriminada é, no mínimo, inconveniente. E há sempre uns sabichões fazendo piadinhas toscas em torno do assunto. Se não se importam com a inconveniência em torno da espiritualidade, também não deveriam se sentir incomodados com as atitudes dos outros.

 

Outra coisa que me chateia são os chamados “Maria vai com as outras”, acham lindo tudo que os chamados “relevantes” fazem ou dizem, independentemente se concordam ou não, o negócio é endossar o coro dos puxa-sacos, pois isso pode lhes render um RT.

 

Cada um faz o que quer com o serviço visto que não há limites em relação a isso e dizer que os valores morais devem ser preservados chega a ser estranho num país em que a lei de Gérson sobrevive a cada dia com mais vitalidade. Fiz minhas escolhas, escolhi meus inimigos e deixei de me grilar com pequenas provocações. E quer saber de uma coisa, acho que estou realmente feliz assim. [Rogério Bauru]

pare-pense 

Já saturou esse levante despropositado desses déspotas sobre procedimentos no twitter, querem a todo custo nos impor seus gostos pessoais como se fossem normas imutáveis e obrigatórias, NÃO VOU SEGUIR REGRA ALGUMA A NÃO SER MINHAS PRÓPRIAS CONVICÇÕES. #prontofalei

 

Não gostaram? Vão se queixar ao bispo, afinal, o porta de saída é a serventia da casa. [unfollow e block estão aí pra isso]

 

Eu indico:

Tecnologia.ig.com.br: Twitter ao gosto do freguês

Webinsider: Twitter: perdemos tempo com regras e etiquetas?

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor bloguicista.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

22 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;