Leia também...

Leia também...
Ler e Escrever Bem Com o Auxílio dos Recursos Tecnológicos

Leia também...

Leia também...
Os Embargos Econômicos

Leia também...

Leia também...
Novo

Leia também...

Leia também...
A Liberdade de opinião é um Direito, não uma Obrigação

Já se arrependeu de algo que postou?

quinta-feira, 20 de maio de 2010

gadgetology051410_chart2new Imagem: (Retrevo)

 

Recentemente o site Gigablog fez alusão a uma pesquisa do site de eletrônicos Retrevo, indicando que 32% das pessoas se arrependem de algo que postaram online.

 

Indubitavelmente, em algum momento, todos nós já nos arrependemos de algo que postamos, seja por causa do conteúdo pífio, seja por causa da repercussão.

 

Sempre que publico um post fico com uma estranha sensação que poderia ter feito algo melhor, ou que não fui claro o suficiente nas minhas explanações. Esse martírio, não raras vezes, é legitimado por alguns comentários impertinentes deixados por alguns incautos. Há sempre alguém levando a discussão para um campo que não era foco do post.

 

Acho que muitos blogueiros devem passar por essa indesejável experiência de ver um post enveredando por caminhos adversos à sua pretensão inicial. Isso acaba nos desgastando, pois temos que nos desdobrar em palavras para explicar que o objetivo não era exatamente aquele que alguns leitores equivocadamente interpretaram.

 

É inegável que é muito gratificante ver nossos posts sendo elogiados, ou até mesmo criticados construtivamente, afinal, é comum que as pessoas discordem do nosso pensamento, o que nos entristece, entretanto, são as interpretações totalmente equivocadas.

 

Nessas horas nos vem à mente aquele dilema: acho que não me expressei bem, não devia ter publicado isso!

 

ats57347_258Troll_spray Imagem: (Abovetopsecret)

 

É fundamental saber que existe uma diferença muito grande entre discordar e trollar. No primeiro caso, a pessoa confronta nossa opinião de forma  sensata e apresenta argumentos para respaldar sua posição. No segundo, a pessoa, normalmente travestida pelo anonimato, deseja apenas irritar o autor com comentários totalmente fora do contexto.

 

[…] acho engraçado como as pessoas, seja de que idade ou sexo for, quando protegidas por uma tela de computador, ficam valentes e “cheias de direito”, como diria minha mãe. Sentem-se à vontade pra entrar na casa dos outros, já batendo. Parece até que despejam na gente toda coragem que não têm no seu dia-a-dia…

Esses são os já citados “trolls”, anônimos ou não, que andam enchendo o saco de quase todo mundo. [Síndrome de Estocolmo]

 

What have I done!?

 

É bem verdade que os trolls, às vezes, nos tiram do sério, como ninguém tem “sangue de barata”, nos deixamos levar pela ira do momento e acabamos proferindo palavras, que depois friamente repensadas, não haveria necessidade.

 

Por outro lado devemos nos policiar, sobretudo naquilo que postamos em nossos blogs, pois às vezes na pressa de publicar um assunto pioneiramente, nos esquecemos de observar alguns detalhes que podem afetar diretamente outras pessoas, causando estragos que, dificilmente poderão ser remediados.

 

19% daqueles que tiveram remorsos por causa dos posts disseram que as mensagens impulsivas causaram problemas em casa ou no trabalho e 9%, que um post fora de hora acabou com amizades ou até com casamentos. (R7)

 

Outro fato que volta e meia sempre acontece, é o arrependimento por causa da publicação de um determinado tweet. Na pressa de mandar logo pro ar algum fato, às vezes cometemos gafes imperdoáveis que nos deixam numa “saia justa” sem precedentes. Por isso todo cuidado é pouco também na hora de twitar.

 

O problema das mensagens apressadas atingiu 59% dos usuários de iPhone, que disseram ter sentido vergonha depois de publicar algo. Segundo a pesquisa, os usuários de celulares inteligentes são os que mais se arrependem – ter um aparelho no bolso os torna mais impulsivos. (R7)

 

Sou de opinião que algumas coisas realmente precisam ser repensadas antes de ditas ou escritas, mas também não podemos nos ater à neura de achar que sempre iremos magoar alguém com nossas palavras. Assim sendo, nunca escreveremos nada, pois de uma forma ou de outra há sempre alguém, no twitter ou nos blogs, que se sente vítima de uma determinada opinião, mesmo tratando-se de um mero desconhecido.

 

Quando faço algo e penso em me arrepender, lembro me que se não tivesse feito não saberia o que teria acontecido, sendo assim, acredito que valeu a pena. (Wania Rocha)

 

Afinal, é melhor pecar pela ação do que pela omissão.

 

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, mineiro de Paraopeba/MG, canceriano, engraçado, calmo, Cruzeirense. Apaixonado por Música, informática, Twitter, Blogs e Futebol! Saudosista dos anos 80.

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

13 comentários :

ImprenÇa Blog disse... Responder comentário

Óia rapá,

O que mais me acontece é me arrepender de abrir a boca, mas por conta dos Trolls. Mas é o que você mesmo falou se depender deles, "nunca escreveremos nada, pois de uma forma ou de outra há sempre alguém"...

bom post, gostei!

20 de maio de 2010 10:56
J P F O X disse... Responder comentário

Isso acontece muito comigo. Comentários maldosos podem acabar com a auto-estima do blogueiro. Já mudei várias vezes da temática do meu blog para escapar dos maus comentaristas, mas o que acontece é que eles estão por todos os lados. Outras vezes achei que falei besteira mesmo. O que não podemos fazer é parar de escrever. Até mais...

20 de maio de 2010 12:27
cidda disse... Responder comentário

Já aconteceu comigo de sentir também, por várias vezes, que poderia ter produzido um post melhor. Mas o que me deixou de saia justa mesmo foram alguns comentários que, no calor da emoção me saíram equivocados. Já tive que mandar e-mail pedindo para o proprietário do blog deletar algumas besteiras que escrevi:(
Abração,
Cida.

20 de maio de 2010 13:50
Anônimo disse... Responder comentário

Muito bom seu post,sou de Minas BH,mas não tenho blog,isso serve não só para coisas escritas mas também ditas,o importante é se arrepender,e se não teve a intenção de magoar ou causar danos será perdoado.
um abraço Helena

20 de maio de 2010 14:01
Evandro Cesar disse... Responder comentário

Já me arrependi sim, de vários, alguns até deletei e em outros passei aquela linha que marca o texto e mudei de opinião. É saudável fazer isso, não é nenhum sinal de fraqueza nem nada como pensam alguns que dizem que não se arrependem de nada, embora possam nem se arrepender mesmo, somos todos únicos né?
Agora, no Twitter é pior ainda e eu já cometi muitos erros por lá... mas é meu jeitinho :P

20 de maio de 2010 14:57
José Márcio disse... Responder comentário

#ImprenÇa Blog, acho que todo mundo já perdeu a paciência com esses incautos.

#J P F O X, exato, não podemos perder a batalha para esses visitantes indesejados.

#cidda, isso também já aconteceu comigo, rsrsrs.

#Helena, é isso mesmo, ninguém está livre de cometer algum deslize, o importante é reconhecer o erro, e pedir perdão, se for o caso.

#Evandro Cesar, muito pelo contrário, reconhecer o equívoco e pedir perdão, é sinal de grandeza.

21 de maio de 2010 08:15
Nospheratt disse... Responder comentário

Olha, eu nunca me arrependi de ter publicado nada, porque tudo o que eu publico passa antes por um cuidadoso processo de triagem. Inclusive emails são relidos depois de prontos, e se eu estiver de cabeça quente ou muito chateada, a publicação do que quer que seja fica para depois. Sendo rigorosa com esse critério, nunca publiquei nada do que me arrependesse.

O que sim compartilho é a sensação de que poderia ter feito melhor após publicar um post (como me aconteceu hoje). Mas mesmo isso pra mim é raro, porque meus posts são escritos, relidos, editados, porrilhões de vezes antes de irem ao ar - o que explica porque eu não posto tão frequentemente quanto poderia. Um único post pode me levar mais de um dia inteiro de trabalho, e às vezes vários.

O lado bom disso é que quando eu leio meus posts publicados (sim, eu leio eles no blog, é um vício que eu tenho), eu me orgulho muito da maioria deles.

Outro ponto que você citou são os trolls e as pessoas que não entendem o que quisemos dizer. A única "solução de continuidade" (como dizia meu avô) que encontrei para isso, é usar o botão do "foda-se" seguido do botão "delete" em 99,9% dos casos. Eu só argumento ou me preocupo com isso no 0.1% dos casos em que realmente vale à pena tentar explicar.

A questão de se preocupar com como os outros vão interpretar nossas palavras tem a ver com a pretensão inconsciente e inútil de administrar as expectativas que outros tem sobre nós, o que fazemos e o que dizemos. Não adianta. A única coisa que podemos fazer é nos expressar tão claramente quanto nos seja possível, e deixar que os outros cuidem das suas expectativas e suas conclusões.

A gente precisa entender e assumir que não tem controle sobre o que não temos controle (sobre o que os outros pensam, por exemplo). Soa como uma idiotice, parece piada, mas eu conheço muito pouca gente que é capaz de fazer isso. ;)

21 de maio de 2010 16:10
José Márcio disse... Responder comentário

Nospheratt, obrigado por acrescentar algo tão pertinente ao texto. De fato, "se preocupar com como os outros vão interpretar nossas palavras tem a ver com a pretensão inconsciente e inútil de administrar as expectativas que outros tem sobre nós, o que fazemos e o que dizemos. Não adianta."

Sábias palavras Mestra!

21 de maio de 2010 17:02
crazyseawolf disse... Responder comentário

Eu nunca me arrependi de ter publicado algo. Como eu sempre digo "Se eu erro, é um problema meu; se eu acerto, palmas para mim!" A vida é um eterno aprendizado, erros e acertos vão acontecer. Você tem que ter estrutura para prosseguir adiante aprendendo com os seus próprios erros. Uma coisa é certa, eu erro muito!

21 de maio de 2010 19:39
Ana Karenina disse... Responder comentário

Olá José Márcio

Realmente é muito bom nós blogueiros pensarmos nessa coisa do arrependimento para postar, acabo vendoisso de uma forma positiva, vou explicar porque acho isso.

1. Se nos arrependemos pelo menos indica que temos consciência de que algo pode ser melhorado.

2. Se estamos sempre muito satisfeitos com tudo que fazemos pode indicar que não temos noção nem consciência de nossos erros ou não queremos admiti-lo, se não percebemos como vamos melhorar?

3. Postar exclusivamente pra agradar o leitor poderá causar arrependimento maior do que postar em causa própria, pois por mais que se queira, nunca iremos suprir 100% as expectativas de quem lê.

4. Postar também pra si, preocupado apenas com suas visões acerca das coisas sem se colocar no lugar do leitor pode nos prejudicar porque podemos passar uma imagem de egoísta, anti-social, arrogante ou senhor da razão. é bom socializar, trocar ideia e estar aberto a opiniões dos outros, todos saem ganhando.

5. Claro que somos livres para nos arrepender e querer apagar ou alterar o post, mas se este sentimento for frequente e exagerado, tem algo de errado ai, pode significar: insegurança, falta de auto-confiança, sentimento de auto-sabotagem e etc.

Enfim, essa questão tem dois pesos e duas medidas, porém prefiro acreditar que cada post será melhor que outro, porque adquirimos mais conhecimento e mais maturidade. e discordo de seu mestre quanto a seus textos terem piorado,os de agora estão até melhores, menos termos rebuscados, rs

Um abraço

21 de maio de 2010 21:33
Gutto disse... Responder comentário

Na minha opinião, antes que fazer qualquer coisa, devemos refletir sobre as possíveis consequências. Tento usar esse princípio em tudo que faço em minha vida e não apenas quando escrevo algo na Internet. Não faço isso por medo de arrepender-me (arrependimento é contraprodutivo), mas por simples responsabilidade.

É claro que não dá para antecipar tudo. Coisas acontecem que fogem do nosso controle. Faz parte. O imprevisível está sempre à espreita. Mas se tivermos ciência de que a merda é sempre uma possibilidade, mesmo quando deixarmos de agir - ou escrever - não nos arrependeremos pois saberemos que foi tudo fruto de nossas próprias escolhas - embora nem sempre seja o que esperávamos.

A lição é essa: escolhemos nossas ações, mas não as consequências. Se há consciência quanto à ação, não há razão para se arrepender.

22 de maio de 2010 09:19
Sonia Boni disse... Responder comentário

José Márcio,

Console-se, também já empurrei para o rascunho ou apaguei alguns textos já publicados. Faz parte do nosso ofício de blogueiro administrar isso.

É mais comum do que vc pensa. Assim como a Nospheratt, também reavalio trocentas vezes qualquer coisa que eu vá blogar, seja texto meu ou notícias, vídeos, etc. Mas acontece às vezes.

Importa, meu caro, que vc se sinta bem. Se for algo que diga respeito a vc, a outros ou mesmo qualquer assunto focado, não se preocupe com a opinião alheia, esteja em paz com vc mesmo. Volte atrás e resgate sua tranquilidade.

Por textos como esse é que eu gosto de vc. Um abraço e fique bem, vc é ótima pessoa. Sinto isso. Aliás, vc me deu uma boa idéia. Também vou escrever sobre esse tema. :D

Até!...

24 de maio de 2010 06:50
José Márcio disse... Responder comentário

#Crazyseawolf, você não é único, eu também erro muito. Mas como bem disse: "A vida é um eterno aprendizado, erros e acertos vão acontecer."

#Ana Karenina, é fato, errar tudo mundo erra, o importante é ter humildade para aceitá-los e fazer dos erros um aprendizado. Obrigado pelo elogio sobre os textos, mas ouço muito meu mestre, se ele disse isso é porque realmente preciso melhorar.

#Gutto, obrigado pelas belíssimas palavras, muito pertinentes.

#Sonia Boni, vejo que meu dilema não é único. Obrigado pelo elogio! Tento fazer o melhor que posso para vocês leitores. Depois que escrever seu texto me passe o link para eu divulgar.

24 de maio de 2010 10:49

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;