Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Blogueiro não é Deus

segunda-feira, 26 de julho de 2010

 

Todos que me conhecem sabem que não sou blogueiro famoso, muito pelo contrário, já tive outros blogs em outras épocas, mas o meu recente possui cerca de 7 meses. Também nunca tive sonhos audaciosos com blogs, meu pensamento era apenas ter um espaço onde eu pudesse expor minhas ideias e opiniões.

 

blogueiro

 

Acho que me enquadro no significado ortográfico da palavra blogueiro, pois segundo Houaiss, blogueiro é: autor de blog. E sou eu, com ajuda de alguns amigos e colaboradores, que temos a missão de manter o blog no ar, sempre com posts inéditos. Diferentemente do problogger que é um blogueiro que ganha dinheiro com blog, o blogueiro, normalmente usa o blog como forma de lazer, embora ambas as coisas possam se completar.

 

A simples existência de um blog normalmente não satisfaz um blogueiro, já que quem escreve quer ser lido, se fosse apenas pelo gosto pela escrita, não haveria necessidade de publicação. Temos então que a pessoa que inicia um blog:

 

1º quer um espaço para alocar suas ideias;

2º quer alguém que leia sua opiniões, concordando ou discordando, isso não importa, o importante é que o leitor  tenha respeito por suas palavras.

 

Quando criamos um blog, o processo natural de divulgação é o acesso às redes sociais, que têm um importante papel de encurtar a distância entre o blogueiro e o leitor. Na medida em que essa distância é diminuída, e as relações intensificadas,  o blogueiro começa a sofrer dissabores de toda natureza, entre os mais comuns a chamada trollagem, termo que já foi incorporado ao cotidiano bloguístico e não cabe aqui mais explanação sobre o tema que já foi amplamente dissecado por muitos. É evidente que temos muito mais alegrias do que tristezas, mas os desgostos, às vezes, nos incomodam mais.

 

Segundo o Houaiss, a palavra Deus, além das inúmeras variantes, possui uma bem peculiar: “aquele a que se devota grande veneração e afeição, que é objeto ou alvo dos maiores desejos; ídolo”. A palavra Deus, às vezes, também é utilizada como sinônimo de perfeição.

 

Pois bem, e o que isto tem haver com tema desse artigo? A explicação é simples: muitas pessoas pensam que um blogueiro que atingiu um certo status de sucesso é um ser perfeito, sem as limitações naturais de qualquer ser humano. Muitos se esquecem que eles possuem famílias, possuem sentimentos e também erram, como qualquer outra pessoa.

 

A capacidade maior de alguns em concatenar as palavras não os fazem serem divinos ou sobrenaturais, são talvez mais abastados de inteligência, que os fazem ser diferentes e terem mais capacidade de se expressar. Mas são seres humanos, sujeitos a toda e qualquer gafe mundana. Na medida que cresce o prestígio de um blogueiro, ele também vira alvo da cobiça e da inveja alheia.

 

Interessante constatar, que certas pessoas adoram criticar os blogueiros quando eles comentem algum equívoco, seja na grafia de alguma palavra, seja na concordância, seja na própria opinião emitida. Ora! Quem nunca se equivocou que atire a primeira pedra. Isso acontece até com especialistas, imagina com meros mortais blogueiros.

 

Acho muito bacana quando alguém, seja nos comentários, em um e-mail, no próprio twitter, me corrige de algum equívoco. Tenho absoluta consciência das minhas limitações e por mais que me esforce, vez ou outra cometo minhas “salsas”.

 

Mas fico indignado quando pessoas, que nunca deram o ar da graça, já chegam carregando no deboche, criticando uma falha, como se um único erro, colocasse em descrédito todo artigo escrito.

 

Pra não dizer o que acontece com os posts de opinião, muitos dos que lêem se sentem ofendidos com a postura do autor e abusam nas críticas. Dizendo que o autor do post é um imbecil, que não entende nada do assunto, que não sabe escrever. Ora! Opinião é inerente ao livre arbítrio de cada um, portanto, é mais do que comum que as opiniões às vezes não convirjam. Mas há mesmo necessidade de execrar o autor do post? Claro que não! Ali esta registrado uma opinião pessoal, se você não concorda, simplesmente ignore, ou então registre sua opinião divergente nos comentários, refute com inteligência, mas zele para não ofender, pois sua opinião é importante, mas também não quer dizer que seja a mais correta.

 

Transcrevo abaixo,  parte de um texto da Nospheratt, publicado no Blosque, para reflexão de todos.

 

E blogs podem mudar o mundo. O seu mundo, e o mundo de quem te lê. Através das conversas, das idéias que se espalham, das descobertas compartilhadas, das pessoas que se encontram, do aprendizado em conjunto, das trocas de experiências.

Claro que isso não se aplica à todos os casos, provavelmente nem sequer à maioria dos blogs. E no entanto, isso é o que é mais importante para mim, é o que mais me interessa: as pessoas que colocam alma em seus blogs, que querem mudar o seu mundo através deles. [Nospheratt]

 

Na essência de todo blog está justamente o embate de ideias que se completam. Um blog só acontece quando o autor encontra ressonância nas suas palavras. A opinião mais inteligente não é a que está sempre de acordo com tudo, mas naquela que quando for preciso, sabe divergir. Ninguém pode se considerar dono da verdade, mas saber respeitar é uma extrema virtude.

 

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

8 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;