Leia também...

Leia também...
Manual prático para lidar com gente chata nas redes sociais

Leia também...

Leia também...
Filosofia Para as Massas

Leia também...

Leia também...
Invicioneiro

Leia também...

Leia também...
De criança para criança

A difícil arte de escrever em blogs

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

 

Quem redige seus textos constantemente tem a exata noção do quanto é difícil manter a periodicidade e a qualidade dos posts. Com o tempo, todos nós passamos pela estranha sensação de estar caindo no marasmo repetitivo de temas, com assuntos que já foram amplamente dissecados por muitos.

 deu_branco

Imagem: [Passadori]

 

Manter a periodicidade e a qualidade dos posts exige um esforço sobre-humano para todo blogueiro que assumiu essa responsabilidade perante seus leitores. Penso que todos os blogueiros devem passar pelo dilema de, a cada novo post, ver aumentada a responsabilidade com a qualidade do conteúdo publicado.

 

As palavras faladas têm uma vida mais efêmera e um raio de ação menor. No entanto têm um vigor maior, estão no presente. A palavra escrita ganha mais espaço e durabilidade no tempo. No entanto perde significado na medida em que se afasta do ato. Poucas leis antigas têm validade duradoura. Escrever sobre o dia-a-dia é um exemplo marcante da perda de significado. É como jornal de ontem. Escrever com conteúdo duradouro é bem mais difícil. Mas o mais triste é que uma grande maioria cada vez lê menos. E dos poucos que leem, ainda existe nas ofertas a parafernália do inútil. Mas em todo o caso, devemos ter esperança que cresçam as ofertas de escritos de valor. [Vladimir D. Dias]

 

Já disse que existem por aí uma infinidade de blogs dos mais variados nichos. Uma coisa que sempre me chama a atenção em um blog é a qualidade da escrita. O assunto pode ser algo que não me atrai em nada, mas se estiver bem redigido, ganha logo minha admiração e respeito.

 

Possuo a audácia de tentar redigir semanalmente um novo post nesse espaço. Digo audácia, porque sei bem o quão difícil é manter essa periodicidade. Sou muito exigente comigo mesmo quando o assunto é redação. Sempre que acabo um post, fico com a sensação que está uma porcaria e muito abaixo do nível dos anteriores.

 

Como se fosse fácil escrever. Se fosse assim: eu sento, com calma e tempo, e digito palavras, que escapam ordenadamente dos meus dedos. Sento então, e tento. Saem, contudo, idéias desordenadas, em frases feias e feitas. Faltou sempre, e faltará, uma capacidade natural para a comunicação agradável, composta por um texto fluente e lógico. Morro, e antes não escreverei bem. [Eduardo Carvalho]

 

Meu martírio se parece muito com o que bem descreveu o Eduardo Carvalho na citação supramencionada, sobretudo na última frase: “Morro, e antes não escreverei bem”. Quando leio um post bem redigido em algum blog, logo tenho delírios de inveja (inveja boa, é claro), por não conseguir articular as palavras como aquele autor o fez. Fico intrigado: como pode esse pessoa escrever tão bem? De onde ela tira tanta inspiração?

 

No exame de consciência me perco na divagação de que o melhor que posso fazer é parar antes que faça uma merda maior. Embora eu tenha plena consciência das minhas limitações, sou extremamente exigente com meus posts. A título ilustrativo, o meu post anterior foi a maior porcaria já produzida nos últimos tempos na blogosfera. Mas tomei gosto por escrever e me privar desse hobby, seria um golpe duro demais e talvez traumatizante.

 

Enganam-se os que pensam que esse auto-reconhecimento seja uma tentativa de angariar elogios e palavras de incentivo, na verdade, reconheço que nesse último post eu não pesquisei e não li tanto como nos anteriores, publiquei algo apenas para não deixar passar em brancas nuvens o compromisso assumido, opção na qual não recomendo pra ninguém.

 

O ato de escrever que para alguns parece fácil e agradável, para outros representa um "parto" sem perspectivas favoráveis. Normalmente, nas produções de textos escolares, não se prepara o aluno para ser escritor. Muitas vezes, não se prepara nem para escrever satisfatoriamente numa linguagem que revele precisão vocabular e clareza de ideias. [Rogério Bauru]

 

O que aplaca um pouco minha angústia é saber que até mesmo escritores famosos, que todos pensamos serem fontes inesgotáveis de inspiração, também passam por dilemas semelhantes. Guardadas as devidas proporções, vejam o que diz alguns escritores de renome sobre o ato de escrever:

 

“Para mim, o ato de escrever é muito difícil e penoso, tenho sempre de corrigir e reescrever várias vezes. Basta dizer, como exemplo, que escrevi 1100 páginas datilografadas para fazer um romance no qual aproveitei pouco mais de 300.”  [Fernando Sabino]

 

“Escrever é um trabalho duro. Uma frase clara não sai por acidente e poucas saem na primeira, na segunda ou mesmo terceira tentativa. Lembre-se disso como consolo nos momentos de desespero.” (William Zinsser, escritor norte-americano)

 

Como todos puderam ver, a arte de escrever não é uma tarefa fácil nem mesmo para aqueles que vivem exclusivamente dela. Penso que a exigência constante com a qualidade, faz parte do processo de criação. A partir do momento que nos considerarmos suficientemente capacitados e bons, na verdade estaremos em franca decadência.

 

Quem prima pela qualidade nunca se contenta em escrever algo simplesmente para cumprir o compromisso assumido, quer buscar a excelência mesmo nos posts mais simples.  Aliás, a tônica deve ser buscar sempre a perfeição, mesmo sabendo que ela nunca será alcançada.

 

Ademais, é sempre bom lembrar que estamos sempre sendo julgados, com bem frisou Taciana Valença: “existe um “sábio” tribunal de leitores que nos leem para criticarem depois ou tentar nos conhecer através do que escrevemos”.

 

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

5 comentários :

Hugo Meira disse... Responder comentário

O grande desafio pra mim não é tanto a clareza e objetividade, mas o aprofundamento dos assuntos.

É dificil fazer uma progressão nos textos começar superficial, claro e objetivo e chegar num nível profundo de argumentacao ou informação. Creio ser este o meu desafio.

Por falar em metablogagem, em breve estarei escrevendo superficialmente sobre blogar. Convido desde já a passar no meu humilde bloguinho =D

21 de outubro de 2010 13:27
José Márcio disse... Responder comentário

#Hugo Meira, para manter a constância e qualidade dos posts é preciso um grande esforço e desdobramentos em pesquisas. Mas nos dá uma sensação do dever cumprido toda vez que conseguimos cumprir essa tarefa.

26 de outubro de 2010 10:20
The EDN disse... Responder comentário

Postar um blog é de fato uma responsabilidade, quando existe essa preocupação com a qualidade do mesmo. Como militante da área de Letras, defendo o bom uso da nossa língua, porém não sou xiita e acredito que a espontaneidade muitas vezes se contrapõe à correção gramatical. Além disso, blogs são textos, a meu ver, que podem assumir a posição de "literários" em alguns casos e, com isso, a "licença poética" pode ser considerada. Mas o que deve sempre ser considerado é a coerência e adequação do texto à proposta do blog/post e ao autor do mesmo.

26 de outubro de 2010 16:25
Jairo Grossi disse... Responder comentário

Olá, Tudo bem?
Quando iniciei meu blog, há dois anos, ficava imaginando:
Será que alguém vai se interessar em ler sobre estes assuntos que eu gosto, ainda mais em um país no qual os temas de física e ciências são tão menosprezados?

Então, qual minha surpresa quando recebi, na época, a primeira manifestação de um leitor.
Foi glorioso! Pelo menos um ser, havia se disposto a gastar o seu tempo, tão precioso nos dias de hoje, para ler e comentar sobre algo que eu havia escrito com tanto carinho.
A sensação foi de que eu tinha produzido uma espécie de livrinho moderno, e o que era mais incrível, havia feito tudo sozinho: Redação, digitação, edição, revisão, impressão, publicação, e aí, finalmente, eu mesmo na rua, tivesse conseguido a façanha de vender um único exemplar.
Teria então, finalmente me tornado um imortal? Já tinha plantado árvore, feito filho, e agora tinha um blog, e o que é mais importante... um leitor!

Esta empolgação inicial toma mesmo conta da gente. Então, o tempo vai passando, aparecem mais leitores, comentários relevantes, outros supérfluos, elogios, críticas, ofensas anônimas (lidas, mas não publicadas), agradecimentos, e depois de termos escrito sobre tantos assuntos, vem a fase seguinte, e aqui, permita-me um CtrlC CtrlV:
"[...] Com o tempo, todos nós passamos pela estranha sensação de estar caindo no marasmo repetitivo de temas, com assuntos que já foram amplamente dissecados por muitos [...]".

Para alguns, esta fase cruel chega rápido, para outros demora um pouco mais. Muitos não resistem a esta crise de “identidade bloguística”, e acabam mesmo encerrando suas atividades. O que mais motiva os que continuam na ativa é, em uma palavra, o compromisso assumido. É como se nossos parceiros, virtuais ou reais, e no fundo nós mesmos, permanecêssemos em uma eterna busca por uma batida perfeita, como no samba(rap?) de Marcelo D2.
Para mim, você estaria bem perto de atingi-la.

Parabéns.

23 de janeiro de 2011 05:07
José Márcio disse... Responder comentário

#Jairo Grossi, muito bacana o seu relato. Embora a satisfação em escrever seja nossa, não podemos negar que quando recebemos o feedback positivo do leitor, somos tomados por uma alegria indescritível. Valeu e volte sempre!

24 de janeiro de 2011 10:50

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;