Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Você sabe que um seguidor é usuário de script quando…

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

 

Por mais que os diversos sites e o próprio twitter condene,  ainda hoje, existem pessoas fazendo uso de subterfúgios para obterem seguidores no twitter.

 

Dickovigarista

 

O script normalmente é um site onde você dá seu usuário ou senha, ou em alguns casos ele faz login via OAuth, e ele irá fazer com que o seu Twitter siga várias pessoas e automaticamente outros usuários do script irão seguir você, fazendo assim uma troca "justa". Sendo assim, você irá ter vários seguidores e poderá twittar com a maior cara de pau "Eu tenho 1000 seguidores". [Blog do Bruno Luiz]

 

O uso de scripts já acendeu diversas discussões sobre a legitimidade ou não de seu uso, obviamente que os defensores mais assíduos deste estratagema não são outros senão os próprios usuários.

 

A função precípua de uma rede social é a interação, e não há como manter um mínimo de relacionamento, com um ilimitado número de seguidores. Com muito esforço, você consegue manter uma comunicação razoável com no máximo 20 pessoas.

 

Muitas pessoas vão dizer “Que idiotice“. E realmente é uma verdade pois você está enganando a si mesmo, pois as pessoas que te seguem não estão nem ai para o que você está escrevendo e muito bem disse o Kibeloco em uma de suas tuitadas “Usar script no twitter é como dirigir o Safety Car na F1. Todo mundo te segue, mas ninguém está realmente interessado em você.“ [Blog do The Best]

 

Fico intrigado como uma pessoa consegue seguir 1.000, 5.000,15.000 pessoas e manter uma comunicação razoável. Logo vem a mente a fatídica pergunta: “De que adianta eu falar para 15 mil pessoas se elas estão ouvindo ao mesmo tempo 15 mil pessoas falando?”

 

Pensando nas pessoas que não conseguem distinguir quem usa ou não script,  tomei a liberdade de elaborar algumas dicas para facilitar a identificação dos mesmos:

  

1. Nunca consegue interagir, pois passa tempo demais preocupado com o número de followers;

 

2. Segue na mesma proporção que é seguido;

 

3. Sempre aparece uma mensagem em seu perfil, alardeando as facilidades de se obter seguidores através daquele serviço;

 

4. Conteúdo pífio nos tweets. Ora! Uma pessoa interessante não precisa tentar aparecer, ela é “descoberta” através dos seus próprios méritos;

 

5. Vive sempre enviando links, para disfarçar a falta de conteúdo;

 

6. O primeiro tweet do dia é sempre um bom dia, para os inúmeros followers;

 

7. Você está no twitter há tempos, porém nunca ouviu falar daquela pessoa que possui incríveis 100 mil followers;

 

8. Defende arduamente o uso de scripts, usando e abusando de retóricas que nem ela mesma acredita.

 

Em face da ascensão das redes sociais o principal preocupação de um usuário não deve ser a quantidade, mas a qualidade daquilo que é obtido. De nada adianta  uma ascensão meteórica lograda às custas de subterfúgios. Deixo uma frase para reflexão: “Se atalho fosse bom, não existiria o caminho”.

 

Aprofunde sobre o tema:

#Não adianta usar scripts para ter seguidores no Twitter  - Blog da Mila Pereira

#Uso de scripts no Twitter pode gerar suspensão – Olhar Digital

#Guerra de scripts no Twitter perto do fim? – Info

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor bloguicista.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

9 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;