Leia também...

Leia também...
Manual prático para lidar com gente chata nas redes sociais

Leia também...

Leia também...
Filosofia Para as Massas

Leia também...

Leia também...
Invicioneiro

Leia também...

Leia também...
De criança para criança

As bobagens do twitter e as desculpas esfarrapadas

quinta-feira, 17 de março de 2011

O “poeta” pop Bruno Gouveia, vocalista e compositor da Banda Biquini Cavadão,  certa vez sentenciou em uma de suas diversas canções: “Errar não é humano, depende de quem erra”.

 

A comunicação instantânea proporcionada pelas redes sociais, acaba por colocar em maus lençóis alguns incautos.

 

 Desculpa

 

Vale dizer que, no twitter principalmente, estamos a todo momento presenciando “saias justas” de toda sorte e natureza, proporcionadas por alguns que no ápice do incautismo acabam falando mais do que deviam.

 

Recentemente o amigo @crazyseawolf postou umas frases interessantes no twitter, que merecem reflexão:

 

Imagem01 Mar. 16

 

Imagem02 Mar. 16 

Das inúmeras frases históricas de Che Guevara, uma especialmente ilustra bem a situação: “O importante não é justificar o erro, mas impedir que ele se repita.”

 

Quem se faz presente no twitter com certeza se recorda de alguém que falou mais do que devia e depois teve que se desdobrar em justificativas e pedidos de desculpas por causa de uma frase mal colocada ou opinião infeliz sobre algo. Reavivo a memória dos nobre leitores com alguns acontecimentos recentes dessa natureza:

 

# Haddad pede desculpas por ameaças do MEC pelo Twitter a estudantes

# Luciana Gimenez pede desculpas a Geisy e é alfinetada por erro de português

# No Twitter, baterista da Restart pede desculpas à galera do Amazonas

# Stallone detona revolta no Twitter e pede desculpas

 

Essas são apenas algumas, das inúmeras situações, que alguns famosos tiveram que se redimir depois de um comentário inserido no twitter.

 

Quem comete uma grosseria, sobretudo figuras públicas, tem de se desculpar. A questão é saber se o pedido é sincero, se não culpa o ofendido e, mais importante, se o ofensor se redime. Veja

 

A maioria prefere o pedido formal de desculpas, apelando para isso argumentos já habituais: “fui infeliz”, “fui indelicado”, “fui mal interpretado”, “não falei por mal”, sendo que o “eu estava apenas brincando” tem o poder de redimir todas as tolices ditas, pelo menos é o que pensa a cabeça mesquinha de quem ofendeu. De todas as desculpas esfarrapadas, que muitas vezes não conseguem redimir o estrago causado, a pior, ou melhor de todas, sem sombra de dúvidas foi essa:

 

"Galera, meu primo acabou de me ligar dizendo que tem uma mensagem estranha no meu Twitter. Eu li e alguém escreveu essa besteira" Jucilei, ex-jogador do Corinthians

 

Nossos problemas acabaram, agora quem falar alguma besteira, invés de postar um pedido formal de desculpas, como muitos fazem, é só alegar que a conta foi invadida por um hacker e que não sabe quem publicou aquela mensagem absurda.

 

Ousa dizer a verdade: nunca vale a pena mentir. Um erro que precise de uma mentira, acaba por precisar de duas. George Herbert

 

Sou da linha de pensamento que mais vale pensar e repensar um algo antes de publicar, do que publicar e depois ter que reparar o estrago, que, conforme a extensão, dificilmente será remediado.

 

A comunicação instantânea das redes sociais é, sem dúvida, um dos maiores atrativos desta ferramenta, mas é preciso se cercar de cuidados para não falar além do necessário, pois o esforço para retratar, quando possível, é infinitamente superior ao de escrever.

 

Em alguns casos o pedido formal de desculpas não remedia o estrago causado, vide caso Mayara Petruso. Certo é que a sociedade não pode mais conviver com algumas posturas que a muito tempo já deveriam ter sido extirpadas das relações humanas: racismo, xenofobia, homofobia, preconceito, são crimes e acima de tudo o ápice da imbecilidade humana. Não rara às vezes utilizamos a palavra de maneira inopinada, sem a devida prudência e acabamos  ferindo os sentimentos e a sensibilidade de pessoas.

 

Antes de sair por aí falando pelos cotovelos lembre-se: é sempre melhor prevenir do que remediar.

 

É preciso saber ouvir e saber calar. Por falar apenas e pouco pensar, pessoas cometem erros difíceis de reparar depois. E por ouvir tanto menos do que pensam, piores erros cometem ainda... Augusto Branco

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor bloguicista.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

5 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;