Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Twitter vira instrumento de um bairrismo idiota

sexta-feira, 13 de maio de 2011

É público e notório que o Brasil possui dimensões continentais, e isso acaba gerando uma diversidade cultural bem interessante. O Sotaque, a culinária, as vestuário, acabam transformando o país em diversos países. Afinal, o povo brasileiro é fruto da miscigenação de várias raças.

 

Na história do Brasil, a ocorrência da mestiçagem é bastante pronunciada. Esse fato gerou uma identidade nacional singular e um povo marcadamente mestiço na aparência e na cultura. [Priscila Mota de Araujo]

 

brasil007

 

Seria muito bom se as diferenças no Brasil se limitassem aos aspectos supra mencionados, ocorre que, com o advento da internet e sua popularização, deixamos aflorar procedimentos que pensávamos já terem sido extirpados da humanidade desde a loucura avassaladora de Hitler e o domínio da raça ariana.

 

Muitos ainda não se deram conta de que, embora o país possua dimensões continentais, somos todos frutos de uma mestiçagem.

 

Do século XVI ao XVIII, em aproximadamente 15 gerações, consolidou-se a estrutura genética da população brasileira, com o entrecruzamento de africanos, portugueses e índios. Ainda no período colonial, franceses, holandeses e ingleses tentaram se estabelecer em território brasileiro e deixaram alguma contribuição étnica, embora restrita. [Priscila Mota de Araujo]

 

Poderíamos usufruir deste legado miscigenado, para crescermos culturalmente, aproveitando a farta cultura regional de diferentes estados. Ocorre que, ao invés disso, muitos preferem diminuir a importância de determinada região ou estado, em troca de quê? Absolutamente ninguém sabe ao certo!

 

Infelizmente, as maiores vítimas dessa imbecilidade exacerbada é  povo nordestino. Poderíamos aproveitar os recursos advindos da internet para explorar a riquíssima cultura nordestina, muito bem representada através de danças e festas como o bumba meu boi, maracatu, caboclinhos, carnaval, ciranda, coco, reisado, frevo, cavalhada e capoeira. Ou quem sabe saborear a culinária típica retratada no sarapatel, na buchada de bode, nos peixes e frutos do mar, no arroz doce, no bolo de fubá cozido, no bolo de massa de mandioca, na broa de milho verde, na pamonha, na cocada, na tapioca, no pé de moleque, entre tantos outros.

 

Ao invés disso muitos preferem a soberba da achismo de uma superioridade inexistente para menosprezar toda uma cultura e um povo que já sofre os dissabores das intempéries da natureza. Como se não bastasse o absurdo da ofensa, que não encontra guarida em nenhum circunstância ou motivo, a mais recente, pasmem vocês,  foi motivada pela futilidade futebolística. [Leia mais…]

 

amandaregis1_twitter600

lucianafarah1_twitter600

 

Mesmo não sendo nordestino, não posso admitir que tais atos prosperem em nossa nação, acho que já é hora de darmos uma basta nessa idiocracia de achar que o fato de morar num estado mais abastado economicamente, dá ao indivíduo a faculdade de menosprezar aqueles que moram em regiões menos favorecidas.

 

Há certo desamparo aos menos favorecidos, muitas pessoas não aprenderam a conviver com as diferenças sociais, sejam elas culturais ou econômicas, ser sensato sempre será o melhor jeitinho de entender os principais conceitos da igualdade, pois são as diferenças que mostram o descaso e o valor da igualdade. [Marcos Barbosa]

 

É muito triste, enquanto cidadão brasileiro, ver alguns desmerecendo o valor de um povo, de uma região, de um estado, numa sequência de ofensas absurdamente rotineiras. Eu diria que é absolutamente inexplicável procedimentos dessa natureza, que se não fossem comprovados, seria difícil acreditar que de fato pudessem existir.

 

Respeitar conceitos éticos é de extrema importância quando se quer entender as diferenças multiculturais deste país, o que pende? Que rasuremos o texto e abandone a antiga visão de igualdade socioeconômica, querem que desista de muitas lutas travadas e lacradas com muito sangue e sofrimento desde o tempo da escravidão. Ainda somos escravos sim! Escravos de uma imaginação sem posição ou razão de existir, acham que o mundo e imperfeito, podes tu pensar que há contradições em meu pensar, não troque o que acha pelo que sente, não vamos rasurar a realidade de uma razão sem esperanças de liberdade cultural, mesmo preso somo libertos por nossos desejos oculto, somos sublimes sonhadores somos belos, somos diferentes, divergentes... Somos iguais! [Marcos Barbosa]

 

Nunca cresceremos como nação, enquanto vivermos apequenados na imbecilidade do bairrismo de uma classe sempre dominante que pensa que o poder financeiro faz deles seres superiores. Esqueçam o poderio econômico e concentrem-se em que de fato faz uma nação ser reconhecidamente de 1º mundo: o respeito as diferenças e a consciência de que, apesar de sermos uma federação, somos todos de uma mesma nação. Ou mudamos nossos conceitos, ou viveremos pra sempre no 3º mundo.

 

Fico extremamente consternado com o uso que alguns andam fazendo das redes sociais, que seria uma ótima ferramenta de interação e união, mas que infelizmente está sendo usada para evidenciar o preconceito velado de muitos.  Não bastasse o preconceito imbecil contra os nordestinos, é fácil constatar, principalmente no twitter, como de uns tempos pra cá, está cada vez mais evidente a atuação dos xenófobos, misóginos, homofóbicos, racistas e radicais partidários.

 

Por fim deixo um aviso aos incautos, existe um país fora do seu mundinho.

 

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Siga no Twitter [@jmpsousa].

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

3 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;