Leia também...

Leia também...
Manual prático para lidar com gente chata nas redes sociais

Leia também...

Leia também...
Filosofia Para as Massas

Leia também...

Leia também...
Invicioneiro

Leia também...

Leia também...
De criança para criança

Tempo de Despertar

terça-feira, 20 de março de 2012

 

 

 

Numa dessas madrugadas insones de domingo, acabei revendo um belo filme exibido na TV a cabo: “Tempo de Despertar” (Awakenings, 1990, EUA), estrelado por Robin Williams e Robert De Niro. Trata-se de uma instigante história sobre um neurologista que se depara com vários pacientes numa clínica psiquiátrica que aparentemente encontram-se em estado catatônico. O médico tem a intuição de que eles estão apenas "adormecidos" e que poderão ser “despertados” se forem medicados da maneira correta. Assim, o herói da trama mergulha em suas pesquisas e chega à conclusão de que uma nova droga - já usada para pacientes com o Mal de Parkinson - é o medicamento ideal a ser ministrado para àqueles casos. Logo, os pacientes dão sinais de melhora e também se mostram ansiosos em recuperar o “tempo perdido” em suas vidas.

 

tempo_de_despertar_Invicioneiros_Harley_Coqueiro 

Sem emitir juízo de valor, o filme serve de motivação para a superação de problemas dos quais nós temos a mania de superdimensioná-los. Valeu a pena ficar desperto!

 

Antes de voltar para a cama, passei por um desses canais de notícias e vi uma multidão nas ruas de Moscou, enfrentando um dos piores invernos dos últimos setenta anos (-20°) para protestar contra as fraudes nas eleições presidenciais marcadas para março deste ano.

 

E o que tem a ver “Tempo de Despertar” com um protesto russo na neve?

 

Eu tenho percebido nas ruas e redes sociais um desencanto generalizado com os rumos da política local, principalmente por parte dos mais jovens. Claro que não sou o médico de “Tempo de Despertar”, mas contra este mal, sugiro um remédio insípido e eficaz: o voto consciente.

 

As eleições municipais estão batendo às portas e as leis eleitorais estão avançando cada vez mais para que o abuso do poder econômico e a compra de votos sejam banidos de vez das disputas eleitorais. Partem-se do princípio lógico: a eleição não é um investimento e o voto não é uma mercadoria. Por isso, é que todos os cidadãos de bem devem fiscalizar e denunciar a mãe de todas as corrupções: a corrupção eleitoral. Apesar de que nas eleições municipais de 2008 houve de tudo, menos respeito às leis eleitorais, é chegado o tempo para despertar a nossa cidadania, para que neste ano não se reprise o filme sem graça de outrora...

 

Miremos no exemplo dos russos que, mesmo sob um longo e tenebroso inverno, protestam por eleições limpas na Rússia!

 

Por isso, despertemos desta letargia!

 

* Crônica publicada na edição de fevereiro da Folha de Paraopeba.

 

** Bonus Track:

 

Charge_Harley_Coqueiro_Iran

Sobre o Autor:
Harley Coqueiro

Harley Coqueiro - um cara da paz, iluminista, evangélico não fundamentalista, pai do Ulisses e do Dante. Já desenhou charges, escreveu poemas e compôs canções gospel. Tem como pecados, gostar em excesso de rock'n'roll, filmes e comida!

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

2 comentários :

The EDN disse... Responder comentário

Caro amigo, sem dúvida, é necessário mais consciência política. Vejo circulando, nestes tempos chuvosos, uma frase com um trocadilho brilhante: "Não jogue lixo nas URNAS.". Essa frase nos traz uma reflexão sobre o papel de cada cidadão formador de opinião como um educador político. Este post vem ocupar brilhantemente esse posto, com o perdão do trocadilho.
Excelente!...

21 de março de 2012 08:02
Harley Coqueiro disse... Responder comentário

@The EDN Valeu, The EDN!
Um comentário lúcido como o seu é o que nos motiva a acreditar que as coisas podem sim, mudar para melhor!

21 de março de 2012 09:01

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;