Leia também...

Leia também...
Manual prático para lidar com gente chata nas redes sociais

Leia também...

Leia também...
Filosofia Para as Massas

Leia também...

Leia também...
Invicioneiro

Leia também...

Leia também...
De criança para criança

O Renascimento de uma Nação

segunda-feira, 9 de abril de 2012

 

 

A catástrofe histórica que se abateu sobre o Japão, combinando terremotos, tsunamis e acidente nuclear, completou um ano neste mês de março. Porém, mesmo depois de um cataclismo de dimensões cinematográficas, vimos a Terra do Sol Nascente reerguer-se em meio aos entulhos e à desolação.

 

japan 

Neste contexto, surge a capacidade nada surpreendente que o povo japonês tem para superar tragédias e traumas. Uma colmeia de abelhinhas de olhos puxados, onde todos se preocupam mutuamente e, juntos, empreendem um mutirão de reconstrução. Isto sim, é a mais completa tradução do espírito republicano. Japão, “Banzai”!

 

Já, pelas bandas de cá, o que nós assistimos nos envergonha. Só para ter uma ideia, reformam estádios onde o público não consegue assistir às partidas e duplicam rodovias sem o planejamento adequado e sem o cuidado com a segurança.

 

É fato: enquanto os japoneses fazem obras de recuperação em tempo recorde, aqui no Brasil, não conseguem melhorar sequer o que já está feito!

 

A lerdeza no cronograma de entrega das reformas nos estádios para a Copa de 2014, por exemplo, causou até um incidente diplomático: o arrogante secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, com uma “justificável deselegância”, ofendeu os agentes políticos do Brasil com uma expressão que doeu tanto quanto um “chute no traseiro”...

 

A duplicação na nossa BR 040 _ com um atraso de mais de 20 anos em seu início _ também não escapa das críticas. Quando as máquinas surgiram nos canteiros e os políticos alardearam a obra que estava para acontecer, a sensação era de que finalmente teríamos uma rodovia mais segura, mais moderna, mais funcional e mais inteligente.

 

Com a “conclusão” (!) das obras no trecho Sete Lagoas-Paraopeba, a expectativa cedeu lugar ao desalento. Caetanópolis e Paraopeba ficaram, inexplicavelmente, isoladas, com acessos bizarros, que certamente nos custarão muitas explicações aos nossos netos, se nada for feito para alterar esse quadro!

 

A famosa descida/subida da “Gineta” é outro exemplo do negligente planejamento viário por parte dos responsáveis técnicos da obra. Considerado o ponto mais crítico do trecho, conseguiram criar uma curva ainda mais perigosa que a outrora existente em sua descida. Sem contar que é gritante a necessidade de se construir uma 3ª pista no sentido da subida Sete Lagoas-Paraopeba (Ah, eu me esqueci: é só fazer um simples aditivo no contrato da obra e lá vão milhões e milhões dos contribuintes!).

 

Se no outro lado do mundo, o Japão renasce em meio ao caos, aqui, o caos se faz conveniente. Afinal de contas, do caos “made in Brazil” “verminam” as propinas para financiar as campanhas de muitos políticos inescrupulosos. E essa grana suja, logicamente, serve para comprar as almas dos eleitores incautos, que apenas assistem ao caos, “com a boca escancarada e cheia de dentes/ esperando a morte chegar”...

 

* Crônica publicada na Folha de Paraopeba, edição de março de 2012.

 

 

 

Bonus Track:

 

Charge_Harley_Coqueiro_Dilma_Base_Aliada

Sobre o Autor:
Harley Coqueiro

Harley Coqueiro - um cara da paz, iluminista, evangélico não fundamentalista, pai do Ulisses e do Dante. Já desenhou charges, escreveu poemas e compôs canções gospel. Tem como pecados, gostar em excesso de rock'n'roll, filmes e comida!

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

2 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;