Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Por que é que as redes sociais não são iguais

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

 

Dia desses me peguei pensando sobre as diferenças existentes entre as redes sociais mais populares da atualidade, mormente as que eu faço parte, ou seja, Google+, Facebook e Twitter. Interessante constatar que existem diferenças substanciais entre elas, na verdade não sei se seriam diferenças dos serviços, mas sim de carcaterísticas dos próprios usuários.

 

google-plus-facebook-twitter

Imagem: Café & Marketing

 

Até bem pouco tempo o Orkut era febre, praticamente todos eram obrigados a ter uma conta nesse serviço se quisesse permanecer no universo virtual. Hoje ele ainda existe, mas sem o glamour de antes, que o transforam em febre e o fizeram ser vedete da internet por um longo período. Em praticamente todas as festas familiares existia o jargão: “essa foto vai pro Orkut”. Em baixa deste o surgimento de outros serviços, praticamente nem se vê mais falar em Orkut.

 

Numa outra postagem desse blog eu disse que algumas pessoas teimam em colocar em rota de choque as diversas redes sociais. Exaltando uma, praguejando outra ou até mesmo ridicularizando os usuários “oponentes”. De minha parte eu prefiro acreditar que não existe guerra, todas possuem suas peculiaridades que atraem uns e outros não.

 

Guerra das Redes Sociais? Que idiotice é essa?

 

Pensando nessa diversidade de gêneros, resolvi fazer um relato sobre as características que percebo nessas três redes sociais citadas anteriormente. Obviamente que trata-se de uma visão meramente pessoal baseada apenas em observações.

 

Twitter

Muitos não entendem o twitter como rede social, mas sim como mídia social, pois apresenta características bem impares que o fazem perder o rótulo de rede social, já vi diversos especialistas versando sobre esse tema. Eu sempre considerei o twitter uma rede social, ou pelo menos pensava que era, durante o período que fui frequentador assíduo daquele espaço. Porém, com o tempo, eu fui percebendo que as pessoas mudaram o comportamento nessa rede social e passaram a tratá-la mais como uma ferramenta de negócio do que uma rede de pessoas. Hoje, penso que a principal característica do Twitter é constante divulgação de links e serviços por parte dos usuários, normalmente blogueiros mais afamados. Algumas pessoas, inclusive, andam dizendo que o serviço foi elitizado, onde apenas “celebridades” falam entre si e não dão mínima pra usuários com poucos seguidores.

 

Facebook

Penso que o Facebook foi o responsável direto pela perda de popularidade do Orkut. Durante muito tempo o Orkut foi tratado com desdém por alguns, que consideravam o serviço um povoado de pessoas sem cultura e sem noção. Foi daí que surgiu um verbo pejorativo para tratar os usuários sem noção: ORKUTIZAR. Toda vez que algo banaliza as pessoas dizem que orkutizou. Pois bem, como houve uma migração em massa dos usuários do Orkut para o Facebook, ele acabou também adquirindo algumas características do concorrente. Por isso, existem pessoas que possuem verdadeira ojeriza do serviço, por considerar alguns procedimentos “surreais” demais, alguns, inclusive, já andam dizendo que o Facebook orkutizou. É muito comum o surgimento e divulgação por ali, de correntes, lendas urbanas, hoax e demais assuntos não menos toscos. O internetês e o miguxês, também se fazem presentes com muita frequência. Não podemos negar também que alguns usam o Facebook como forma de comunição entre os parentes mais distantes, assim sendo, ele também pode ser considerado um bom aproximador de genes similares.

 

Google+

É o caçula das redes sociais, surgido no meio do ano de 2011, o Google+, G+ ou Google Plus, talvez seja a última tentativa do gigante Google para se firmar de vez no concorrido mercado das redes sociais, após algumas tentativas frustradas. Por isso resolveu investir pesado nesse novo serviço, direcionando muitos outros serviços para a nova empreitada. O Google+ possui algumas características interessantes, a principal delas talvez seja a interação mais formal. É muito comum acompanharmos discussões interessantes em postagens, proporcionadas por usuários com características e conhecimentos similares. Obviamente que existem também algumas características similares aos outros serviços citados, já que muitos usuários utilizam mais de uma rede social. Uma característica bem interessante do Google+ é a possibilidade de separarmos os contatos por círculo e podermos definir a intensidade das postagens desses círculos. Isso é bem interessante pra filtrar os assuntos presentes na stream. Evitando o chamado flood, que nada mais é do que: “um termo em inglês que significa “encher” ou “inundar”, mas na internet ele é usado para designar uma atitude bem irritante”.

 

Eu conheço e tenho conta em todos os serviços citados, mas sou frequentador mais assíduo do Google+ por gostar mais do estilo de interação proporcionada pelo serviço. Uso muito pouco o Facebook e praticamente abandonei o Twitter.

 

Sabemos que o Facebook reina absoluto hoje na preferência dos internautas, porém, sabemos também que esse reinado não é defitinitivo, assim como não foi o do Orkut. As pessoas sempre buscam inovações, mas na maioria das vezes são guiadas pelo populismo, prinicpalmente em si tratando de rede social. Podemos verificar essa falta de fidelidade das pessoas nas palavras de Sean Parker, sócio do Facebook, cofundador do Napster e atual investidor do Spotify durante o Web Summit 2.0, em San Francisco: “A grande ameaça para o Facebook é que os usuários mais ativos estão indo para o Twitter ou para o Google+”.

 

Acho meio complicado definir qual dos serviços é melhor, visto que cada qual possui suas características e particularidades. Cabe a cada pessoa pesquisar e definir por conta própria qual será mais interessante de acordo com o interesse. Que cada um busque o espaço que melhor lhe convier, eu já escolhi o meu, comos vocês puderam perceber no relato acima.

 

Sobre o Autor:
José Márcio

José Márcio - Editor Chefe dos Invicioneiros, leitor voraz e aprendiz de escritor.Tem opinião e assume os riscos Saudosista dos anos 80. E palpiteiro inveterado. Me Circule no Google+.

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

1 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;