Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

Invicioneiro

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

A escola de Caetanópolis iniciava um novo ano letivo. Muitas caras novas apareciam, como de costume. Vários alunos vinham de outras cidades, como o Zé Vito, um menino gordinho. Falou para os professores que gostava muito de futebol. Mas, na escola de Caetanópolis, meninos gordinhos só no gol.



Zé Vito era um menino caladão e sua timidez vermelha no rosto bochechudo não lhe deixava reivindicar. O pai morrera do coração e a mãe tinha voltado para o interior para morar perto da família e trabalhar no salão da tia como cabeleireira. Zé Vito quase não saía para brincar na rua, porque a mãe não deixava, menino que vive na rua não presta.


Na escola, Zé Vito demorou um pouco a adaptar-se, mas o professor Juca de Sá Chica o ajudou. Dava aulas de Educação Física e era vizinho do Zé Vito. O gorduchinho destacava-se no gol do time da escola, sempre com boas defesas e ótima saída de bola. Mas continuava sendo o gordinho Zé Vito.


Um dia chegou à escola Rodnei, menino bom de bola que veio de time grande da capital, de escolinha profissional. Chegou com fama, pois era grandão e fortão para sua idade e, principalmente, bom de bola mesmo. Só havia um problema: era goleiro... Surpresa para todo mundo: Zé Vito perdeu a posição.


Mas Rodnei não queria tomar a vaga de Zé Vito, até porque veio morar perto da casa dele e tornou-se seu amigo. Um dia, Rodnei viu Zé Vito brincando com a bola. Chamou-o para jogar “gol a gol”. Perdeu feio para o Zé Vito. Ele dava cada bomba, impossível de pegar, principalmente em se tratando de bola de plástico duro murcha.


No primeiro dia de treino, Rodnei fez uma exigência: queria o Zé Vito no time. A turma achou graça, pois gordinho só servia para goleiro. Mas resolveram experimentar, depois que o professor Juca de Sá Chica, técnico do time, mandou. Zé Vito fez oito gols no treino e deixou todo mundo boquiaberto com seus chutes e seus dribles.


Mas o Zé Vito tinha um defeito grave: era um invicioneiro. Não passava a bola para ninguém. Parecia que só enxergava o gol — recebia a bola, olhava para o gol e mandava a bomba. Às vezes, não dava para chutar direto, então ele usava seu corpo pesado para proteger a bola e ninguém conseguia tomar. O time da escola foi campeão, mas os colegas do Zé Vito até hoje reclamam do gorducho invicioneiro.


Queen - "We Are The Champions" — Uma das melhores apresentações do grupo (Wembley)

Sobre o Autor:
The EDN
The EDN - sou industriário, trabalho há 27 anos na Cedro (indústria têxtil centenária de Caetanópolis, MG) e atuo como professor há 24 anos em escolas particulares e públicas
Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

3 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;