Leia também...

Leia também...
Homo Sapiens x Homo Cyber

Leia também...

Leia também...
O Humor nos Tempos do Cólera

Leia também...

Leia também...
Os 10 Mandamentos da Vida Virtual

Leia também...

Leia também...
Santos Reis

O Gol e a Comemoração

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

 

 

 

De todas as futilidades dessa vida, o futebol é uma das mais apaixonantes. E como não poderia deixar de ser, volta e meia surgem discussões futebolísticas fúteis que, com o perdão da redundância, nada de útil acrescentam, sequer para o esporte em si.

 

Quarentinha_Botafogo

 

Uma das mais recentes que eu vi/ouvi enquanto assistia a uma partida de futebol pela TV, veio de uma “prodigiosa” enquete sobre a obrigação ou não do artilheiro em comemorar o gol sobre o seu ex-time. A pérola que eu ouvi de um nobre comentarista foi de um puritanismo que faria enrubescer até a Madre Tereza de Calcutá:

 

O gol é o momento maior do futebol e, como tal, é a celebração do esporte, não se justificando a falta de comemoração por um jogador que venha assinalar contra a sua ex-equipe!

 

Concordando em parte, não diria que tal afirmação soou reacionária, para não constranger ainda mais a saudosa Madre Tereza. Ocorre que, na minha modesta opinião de boleiro, um artilheiro comemora, se quiser, o gol por ele marcado contra qual time for. Não enxergo como profano o ato de não se comemorar um gol!

 

Obviamente que o mais importante no futebol é o gol e não a sua comemoração. Não haverá espetáculo, não haverá triunfo, nada acontecerá se não pintar um gol, pelo menos um golzinho aos quarenta e oito do segundo tempo. O gol, feio ou bonito, um “frango” ou de placa, é o objetivo; a comemoração nada mais é que uma consequência.

 

Em tempos de jogadores mercenários, que só se identificam e se comprometem com os seus milionários contratos e direitos de imagem, é tocante ver um craque reconhecer toda a admiração da torcida de seu ex-clube (Alô, Obina! Alô, Fred!).

 

Para o torcedor, em geral (ou na antiga e romântica “geral” que a FIFA tratou de acabar!), não faz diferença se o artilheiro de seu time comemore ou não o gol marcado contra o ex-time. O torcedor não ficará constrangido em comemorar por ele!

 

O lendário Quarentinha, o maior artilheiro do Botafogo e detentor da média histórica de um gol por jogo pela Seleção Brasileira, nunca comemorou os seus gols. Tímido e introvertido, ele tinha a convicção de que fazer gols nada mais era que o seu ofício, a sua missão. A torcida, por sua vez, fazia a festa!

 

Enfim, se em todos os gols houvesse a necessidade de comemoração, os autores de “gols contra” teriam de comemorar, também...

 

 

 

*Crônica publicada na Folha de Paraopeba, edição fevereiro/março de 2014.

 

Sobre o Autor:
Harley Coqueiro

Harley Coqueiro - Advogado e Jornalista. Chargista e Cronista da Folha de Paraopeba. Fã de Beatles, de thrillers policiais e da boa comida mineira.

Feed
Gostou desse Artigo? Então deixe um comentário, assine nosso Feed ou receba os artigos por email

0 comentários :

Postar um comentário

# Antes de comentar, leia o artigo;
# Os comentários deverão ter relação com o assunto;
# Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro;
# Comentários ofensivos ou pessoais serão sumariamente deletados;
# As opiniões nos comentários não refletem a opinião do blog e são de inteira responsabilidade dos seus autores;